domingo, fevereiro 22, 2009

Loque

Pelo que consta vamos ter um ano apícola muito mas muito difícil e complicado, soa pela voz popular a terrível noticia da infestação pela Loque (doença de declaração obrigatória) de algumas colmeias.
O assunto já é preocupante em si, mas se nada for feito mais preocupante se torna ainda.
Já chega de tapar o sol com a peneira com as zonas controladas e palavras soltas ao vento escritas num papel, as quais ninguém consegue saber ao certo a que bom porto poderão atracar, contudo temos a sorte de ter um ministério da agricultura e das pescas que para além de taxar impostos e divagar bem (devagar) nada mais faz.
Além de pensar em mim sobre este problema, reflicto nos pequenos agricultores que possuem uma mão de colmeias, das quais extraem o saboroso mel de uma forma artesanal e com sapiência que diria como ancestral, Senhor Ministro ou a quem de direito, tire o cu balofo da cadeira e atue no terreno, convêm fazer chegar a informação a quem pouco mais sabe que assinar o nome, mas sabem muito mais de humanidade e de vida que Vossa Exelencia.
Parece um grito de revolta, mas é só um desabafo, a situação já é má para os pequenos apicultores, se os tratarem com indiferença a sua actividade pode mesmo ser erradicada, e no sitio onde outrora existiam belas colmeias passara e ser um amontoado de mato e silvas.
Tento e sempre que posso divulgar informação de boas práticas por quem não as sabe por nunca ter ouvido nelas falar.
A Loque é altamente contagiosa, ataca as abelhas na criação, o material apícola utilizado deve ser sempre desinfectado de apiário para apiário, as luvas e escova desinfectadas com álcool, o levanta quadros pode ser colocado dentro do fulmigador ainda aceso e claro se uma colmeia estiver com Loque o melhor é mesmo não poupar nos materiais, convêm queimar.
Que este mal nunca me bata a porta, e se por acaso lha abrir, seria um desalento de fal forma, que prefiro acabar o texto com reticencias...

Um comentário:

montedomel disse...

Também já ouvi os "rumores" da loque, Mário, oxalá não passe disso.
De qq forma subscrevo o que disse
Abraços
JPifano